Geraldo Abade de Sousa nega envolvimento na morte de ex-mulher e enteada - Arquivo/O PROGRESSO

Durante depoimento na Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), o ex-marido de Graça Maria Pereira de Oliveira, de 57 anos, empresário Geraldo Abade de Sousa, 57 anos, negou que tenha sido o mandante do crime. A empresária e sua filha Talita de Oliveira Friseiro, de 27 anos, foram encontradas mortas por familiares no dia 7 de junho dentro de um carro enroladas em um lençol no bairro Quintas do Calhau, em São Luís.

Geraldo Abade de Sousa foi preso em Imperatriz, sábado passado (20), quando chegava em sua residência, localizada no residencial Gran Village, no bairro Santa Inês. Segundo a polícia, ele estava chegando da cidade de Parauapebas-PA, onde tem negócios, e foi abordado ao descer do carro. Quarta-feira passada ele foi recambiado para São Luís. Na capital, foi foi direto para a Superintendência de Homicídios Proteção a Pessoa (SHPP), onde foi interrogado pela diretora do Departamento de Femincídio, delegada Viviane Fontenelle.
De acordo com a delegada, o ex-marido da empresária além de negar qualquer participação no crime, informou ainda que não conhecia nenhum dos outros dois suspeitos que já estavam presos.
Depois de interrogado, Geraldo Abade foi encaminhado ao Centro de Triagem de Pedrinhas, onde vai cumprir o mandado de prisão expedido pela Justiça.
A delegada Viviane Fotenelli informou que a prisão tem duração de trinta dias e ao fim do prazo, pode ser prorrogada ou convertida em prisão preventiva.
Ainda segundo Viviane, o terceiro envolvido no duplo feminicídio, preso suspeito de ser o intermediador da negociação, que teria contratado o pedreiro para assassinar mãe e filha, também negou qualquer envolvimento no crime. As investigações devem continuar.